quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Tempero italiano com gostinho de quero mais no Restaurante IL Perugino em Itaipava

Criado em setembro de 2004 pelo chef Sormany Justen, o restaurante II Perugino - especializado na culinária italiana - é reconhecido, pelo Guia 4 rodas, como um dos melhores estabelecimentos do país. Não à toa, a casa recebeu, pelo quinto ano consecutivo, a estrela do Guia. Além disso, o Il Perugino conquistou o título de 8ª Melhor Carta de Vinhos do Brasil em 2011 também pelo guia.
"Temos o cuidado de oferecer, diariamente, pratos novos e boas opções de vinho para nossa clientela. Todos os pratos são criados por mim. Mudamos nosso cardápio de duas a três vezes por ano", afirma o chefe Sormany.


Shitake com lulas grelhadas ao azeite (divulgação)

O tempero italiano e o cuidado em utilizar condimentos e hortaliças orgânicos na elaboração dos pratos fazem sucesso entre os paladares mais exigentes. Entre as especialidades do restaurante Il Perugino estão: shitake con calamari grigliati all olio tartufado (shitake com lulas grelhadas ao azeite de tartufo R$ 32,80) e a terrina de carni (terrine de carnes mistas com foie gras e pistache R$ 32,80) para a entrada. As massas frescas fabricadas na casa, o destaque fica por conta do gnocchi de camarões com creme de queijo R$ 47,90; pato ao molho de laranja servido com capelline com ragu de pato R$ 48,90; fetucine com queijo mascarpone, lula e limão siciliano R$ 48,90.
Os risottos são elaborados em seis versões: cordeiro com hortelã fresco R$ 52,90; frutos do mar R$ 54,90; ossobuco R$ 51,90 entre outros. As carnes preparadas com esmero pelo Chef ganham espaço no cardápio da casa. Filet de costela com osso grelhado; paleta de cordeiro assado; ossobuco de vitelo e costela suína ao molho de limão e pimenta dedo de moça. Nesse caso o cliente poderá escolher o acompanhamento (risoto; massas; legumes grelhados; saladas etc).
Antes de serem colocadas para degustação, as bebidas são analisadas e escolhidas a dedo pelo próprio Chef Sormany, acompanhado pelos dois sommeliers do restaurante. “Temos o cuidado de analisar todos os vinhos oferecidos em nossa carta, pois nem sempre as novas safras estão na qualidade das anteriores ou vice-versa”, garantiu Sormany.
Ao todo, são três mil vinhos armazenados na área climatizada ou em exposição. Preocupado com o cliente que gosta de consumir a bebida em local apropriado e temperatura certa, o chef criou sua própria adega climatizada e dispõe de uma enoteca para a degustação dos vinhos. Além disso, os interessados têm a possibilidade de comprar os vinhos, mesmo sem consumir no restaurante, com preços competitivos.
Sormany aproveitou as viagens e aprimorou seus conhecimentos em restaurantes de Roma, Toscana (Nanamuta), Úmbria (Ristorante Serra), Varese (All Vecchio Convento e Acquerello), Trentino (Ristorante da Gerry), Piemonte (Il Boscareto Resort, Tratoria la poste e Antica Corona Reale), Lugano, na Suíça, (Príncipe Leopoldo Relais & Chateaux). Além disso, trabalhou por dez anos em diversos restaurantes dos Estados Unidos, nos estados de Conecticut, Nova Iorque, Washigton, Boca Raton e Miami.

Serviço
Il Perugino
Estrada União e Indústria, 12.601 – Itaipava - Rio de Janeiro
Telefone: (24) 2222-3092
Horário de Funcionamento: quarta, das 19h às 23h30; quinta a sábado, das 12h30 às 24h; e domingo, das 12h30 às 18h.

Festival CineMúsica: O Encontro do Cinema com a Música em Conservatória

Conhecida como a cidade da seresta, Conservatória irá se render ao sertanejo entre os dias 7 e 11 de setembro. O gênero musical foi o tema escolhido do Festival CineMúsica, que acontece no distrito de Valença há cinco anos. O evento contará, entre outras atrações, com a presença da Orquestra Paulistana de Viola Caipira, uma das mais renomadas da música regional do país e estão programadas também apresentações musicais com a dupla Jô e Samuel, o duo Duofel de São Paulo, o conjunto Seresta Moderna, apresentando “A História da MPB e o Surgimento do Sertanejo”, o cantor Marcos Roberto e o Bonde Folia - Orquestra Popular Céu na Terra do Rio de Janeiro, que encerrará o encontro no domingo de manhã em cortejo pelas ruas.
Em 2011, o CineMúsica irá exibir cerca de 70 filmes entre pré-estreias, clássicos, premiados e muito mais. Uma das novidades será a sessão “Mundo Sertanejo”, que, se adequando ao tema do evento, exibirá produções brasileiras passadas em um universo tipicamente sertanejo.
Um dos pontos altos do Festival, a sessão Formacine está mais uma vez mantida e contará com a exibição de uma série de longas infanto-juvenis para as crianças da rede de ensino da região. Uma das principais atrações do programa este ano será uma sessão de “Antes que o mundo acabe” com áudio descrição para pessoas com deficiência visual.
Pelo segundo ano, o CineMúsica promoverá, em parceria com o SEBRAE, o Seminário Arte & Negócios, espaço dedicado ao encontro entre os produtores e realizadores do mundo do cinema e da música. Este ano o tema de debate será a distribuição.
A programação do Festival, inteiramente gratuita, conta com vários importantes filmes, como “Não se preocupe, nada vai dar certo”, de Hugo Carvana, “Os residentes”, de Tiago Mata Machado, “A Alegria”, de Felipe Bragança e Marina Meliande, “Noel Rosa, poeta da Vila e do Povo”, de Dacio Malta, “Família Vende Tudo”, de Alain Fresnot, “Onde Está a Felicidade?”, de Carlos Alberto Riccelli, “Rock BrasíliaA Era de Ouro”, de Vladimir Carvalho, “Djalioh”, de Ricardo Miranda, dentre outros.
O Festival CineMúsica, nas suas quatro edições realizadas, demonstrou grande fôlego e conquistou prestígio, recebendo várias premières nacionais e número significativo de presenças da área cinematográfica, entres cineastas, diretores, produtores, especialistas em som de cinema e mixagem e atores. E este ano não será diferente, vários importantes nomes do cinema brasileiro já confirmaram presença, como Caco Ciocler, Marisol Ribeiro, Bruna Lombardi, Carlos Alberto Ricelli, Felipe Bragança, Marina Meliande e muitos outros.
Com uma vertente nostálgica que combina com Conservatória, o evento celebra os cinemas de rua, tradição que está muito bem representada pelo Cine Centímetro, uma réplica do saudoso cinema carioca Metro Tijuca. Além disso, se destaca como o único festival no Brasil dedicado ao universo do som no cinema, com premiação exclusiva para a área da técnica sonora.
Em 2011, foram premiados: Cabeça a prêmio (melhor som); Meu mundo em perigo (melhor desenho de som); Viajo porque preciso, volto porque te amo (melhor mixagem); Tropa de Elite 2 (melhores efeitos sonoros); Reflexões de um Liquidificador (melhor música); A falta que me faz (melhor som direto); e Quincas Berro d’Água (melhor edição de som).
Além disso, o festival homenageia os grandes técnicos da área de som e faz um registro audiovisual de suas carreiras e criação artística nas entrevistas-depoimentos do Direto do Set. Este ano os homenageados são o técnico de ruídos de sala (foley) Antônio César, o técnico de som Walter Goulart e o empresário de insumos sonoros Cesário Felfelli.




Promovido pela Casa de Cultura de Conservatória, o CineMúsica se credencia pelo nível dos seus patrocinadores. A Light S.A., o Grupo CCR, por meio de suas concessionárias: CCR Nova Dutra e CCR Ponte, a Petrobras e o Governo do Estado prestigiam o Festival, certificado na Lei Federal de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet / Ministério da Cultura e na Lei do ICMS/ Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro. O CineMúsica conta ainda com as parcerias do SESC e SENAC e dos apoios do Sebrae e da Fecomércio.

Nogueireando com Gisa e Didu no Centro Cultural da Lapa nesta véspera de feriado

Na véspera do feriado de sete de setembro, a Lapa vai balançar com os inesquecíveis sambas de João Nogueira, que nesse ano faria 70 anos. O Centro Cultural da Lapa irá receber a irmã e parceira Gisa Nogueira e o sobrinho, Didu Nogueira, que se reúnem no show “NOGUEIREANDO”, na terça-feira 06 de setembro, a partir das 20 horas. No show apresentarão grandes sucessos de João e composições de Gisa e de Didu, que pela primeira vez apresentará músicas de sua autoria. 
A dupla têm se apresentado com certa regularidade costurando o espetáculo com algumas histórias protagonizadas por João, fundador do Clube do Samba, um dos movimentos mais respeitáveis da música brasileira. Direção musical e violão são de Celso Lima. No cavaquinho, Tiago Machado; e Edson Cortes e Marco Basílio, na percussão.
Gisa Nogueira, cantora e compositora que atesta a riqueza musical que carrega no DNA, Gisa nasceu no Rio de Janeiro e desde muito cedo era embalada pelo violão de seu pai João, que nos anos 30 e 40 foi um dos mais requisitados músicos, que acompanhou nomes como Donga, Jacob do Bandolim e Pixinguinha. Era conhecido por “Mestre”.
Nos anos 60, o irmão João Nogueira dava os primeiros passos nas composições musicais e convidou Gisa para fazer parceria, surgindo aí a cantora e compositora. Gisa foi acompanhando os passos de João e se apresentando esporadicamente em bares e teatros sendo rapidamente convidada a se profissionalizar. Topou, mas sem abandonar o magistério, se dividindo entre as salas de aula e os palcos cariocas.
Gravou dois compactos e um LP e tem sua música registrada nas vozes de Clara Nunes ('Meu lema”, “Opção” e “Amor desfeito”);  Beth Carvalho (“Clementina de Jesus", "Me ganhou” e “De novo desamor"); Eliana Pittman (“Deus de barro”), Elza Soares (“Canoa furada”),  a cantora Celeste (“Mandamento”), Sônia Santos (“Guerreira”) e Marília Beviláqua (“Canto de nossa gente”). Além, de João Nogueira (“Meu canto sem paz”, “Eu sei Portela”, “Terno branco” e “Samba de amor”). É integrante da ala de compositores da Portela desde 1974.
Nos últimos anos, Gisa vem se dedicando às artes plásticas, onde possui um currículo de 14 exposições individuais e duas coletivas. Nos traços maduros, retrata sua terra e sua gente. Enfim tudo o que observou e observa atentamente  no cotidiano e cultura de seu pais e de sua cidade, em destaque os morros e a boemia carioca. Ela parte agora, depois de quase 35 anos ausente do mercado fonográfico, para a gravação de seu primeiro CD e DVD, que contará com algumas participações especiais. O registro já vem sendo feito nos lugares onde Gisa tem se apresentado.
Didu Nogueira - Nome reconhecido no meio da MPB como intérprete de samba e grande incentivador do samba de raiz, Didu é um participante ativo de diversos projetos e eventos voltados à cultura musical. Respeitado produtor, nem sempre se recusou a ser profissional da música. Cantou ao lado de alguns dos principais nomes do samba e em grandes palcos como Teatro Rival, Tom Brasil e Canecão.
Didu Nogueira já participou como corista de discos de autores como Jorge Simas e Paulo Cesar Feital, Nelson Sargento e Moacyr Luz, entre outros. Também como solista, no disco em homenagem ao João Nogueira chamado “Através do Espelho” e se apresenta até mesmo em outras praças – fora do Rio - para cantar fundamentalmente o repertório do tio, João Nogueira.   


Nogueireando com Gisa e Didu Nogueira (divulgação)

Serviço
Nogueireando com Gisa e Didu Nogueira
Dia: 06 de setembro (terça-feira)
Centro Cultural Lapa – Rua Santa Teresa nº 06 (grudado aos Arcos) - Rio de Janeiro
Horário: a partir das 20 horas
Ingressos: R$ 20
Censura - Livre

Café Concerto apresenta: A cartografia do desejo no Espaço Glia no Ingá

A Glia, centro de cultura, aprendizagem e saúde, no Ingá, promoverá neste sábado, 03 de setembro, às 18 horas, a dramatização de textos poéticos "A Cartografia do Desejo”.
Produzido pela professora de Filosofia e literatura Dília Gouveia com participação da psicóloga e atriz Eda Lucia Damasio, o encontro propõe explorar a natureza humana através da interpretação de textos de autores como: Manuel Bandeira, Mário Quintana, João Cabral de Melo Neto, Adélia Prado, Sophia de Mello Breyner e Manoel de Barros. Inscrições abertas e o valor por pessoa é de R$ 20 incluindo vinho e petiscos.




Serviço:
Café Concerto apresenta: A cartografia do desejo
Dia: 3 de setembro
Horário: às 18 horas
Inscrições: Abertas
Investimento: R$ 20 (por pessoa) incluso vinho e petiscos.
Glia
Rua Doutor Nilo Peçanha 142 – Ingá - Niterói
Telefones: 3601-2092/ 3021-7030/8332-0782
 e-mail: glia1@globo.com.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Biblioterapia no Espaço LeveMente em Icaraí

Biblioterapia, a terapia através dos livros, é feita em grupo, através da leitura de um livro escolhido nos encontros semanais e da troca de idéias e análise do tema abordado, possibilitando um aprendizado constante e muitas vezes a abertura da mente para outras formas de pensar sobre os assuntos abordados.
No Espaço LeveMente você pode participar GRATUITAMENTE do grupo de biblioterapia, com a mediação da psicóloga Maria Amélia Seixas.
Os encontros são semanais acontecem sempre às quartas-feiras, no período de 14h 30m às 16 horas. Com o livro em discussão no momento: Feliz por NadaMartha Medeiros.




Serviço: 
Espaço LeveMente
Rua Lopes Trovão, 52 sala 504 - Icaraí - Niterói
Tel: 2610-1023


Frans Krajcberg expõe suas obras no aniversário de 15 anos do MAC


Em razão da comemoração do aniversário de 15 anos do Museu de Arte Contemporânea, o artista Frans Krajcberg foi convidado para expor suas obras no período 03 de setembro a 23 de outubro. A mostra reunirá 28 obras, que se dividem em sete esculturas de chão, sete trabalhos que são marcas notórias do artista, além de 15 fotografias da natureza realizadas em diversos períodos da vida do artista.
Krajcberg vive em Nova Viçosa, interior da Bahia desde a década de 70, e confeccionou a maioria de suas peças de cipós e troncos de árvores destruídas pelo fogo. Seus trabalhos possuem uma estética totalmente inovadora com um tema mais discutido no mundo contemporâneo: a natureza. Segundo a marchand Márcia Barrozo do Amaral, que representa as obras do artista, Krajcberg vive 24 horas por dia pela incansável luta pela natureza e pelo planeta. No contexto do Ano Mundial da Árvore, Krajcberg expressa a sua revolta pela destruição do meio ambiente declarando: “Brevemente haverá apenas uma natureza vencida pelo homem, uma natureza destruída pelo homem, assassinada pelo homem.”. 
 “A natureza para Frans Krajcberg é um enorme reservatório de energia vital e de poesia visual, o teatro permanente de sua metamorfose...”Com estas palavras o crítico Pierre Restany define a principal preocupação do artista, ao longo de mais de meio século de trabalho: as grandes questões do meio ambiente e a possibilidade de formular soluções realistas, principalmente, denunciando a destruição da natureza, as queimadas, a extinção das tribos indígenas. Frans Krajcberg viveu em Monte Alegre, no Paraná, onde produziu a série de pinturas denominadas “Samambaias”, em São Paulo, no Rio, sempre trabalhando, sempre criando. Morou em Paris, onde mantém um atelier até hoje, viveu em Ibiza, ali iniciando a série Relevos sobre pedra, que lhe valeram o Prêmio de Pintura, na IV Bienal de São Paulo (1957) e na Bienal de Veneza (1964).
Como conseqüência destas viagens, Krajcberg introduziu o fogo na sua obra – é a época das esculturas queimadas, que tanto impacto causaram no público, ponto alto do ano Brasil-França. Frans Krajcberg, além de artista plástico mundialmente renomado, com obras nos mais importantes museus é excelente fotógrafo. Em suas viagens à Amazônia, ao interior de Minas Gerais, ao Pantanal, assistiu cenas chocantes de destruição ambiental. Esses registros feriram e ferem de tal maneira sua sensibilidade, que estão sempre presentes emsuas obras, principalmente nas “esculturas queimadas”. A importância de sua obra no contexto da ecologia mundial é indiscutível, se consagrando como grande defensor das causas ecológicas.



Serviço:
Exposição Franz Krajcberg
Período de visitação: 03/09 a 23/10
Abertura: 03de setembro
Entrada: R$5
Terça a domingo, 10h às 18h (a bilheteria fecha 15 minutos antes). Estudantes com carteirinha e brasileiros acima de 60 anos pagam meia-entrada. Estudantes da rede pública (até o ensino médio) e crianças abaixo 07 anos são isentos.Quarta-feira a entrada é franca.
* No período da exposição de Krajcberg os moradores de Niterói não pagam ingresso
Museu de Arte Contemporânea de Niterói
Mirante da Boa Viagem, s/nº.
Mais informações: 2620-2400

Peter Pan e suas aventuras no palco do Teatro Municipal de Niterói

Peter Pan encantará a garotada no perído de 03 a 25 de setembro, às 16 horas, no Teatro Municipal de Niterói. A história versa sobre o alegre e eterno menino que não quis crescer para ser sempre o mais divertido e risonho amigo das crianças. Habitante da “Ilha da Terra do Nunca”, paraíso das diversões sem fim e reino mágico da aventura, possui em suas lagunas as mais belas sereias e habitam ainda fadas, ferozes peles vermelhas, piratas e os meninos perdidos.
A história começa na casa da família Darling, numa noite estrelada, Wendy, a menina que gosta de contar as mais belas e interessantes histórias, é surpreendida por Peter Pan, que surge com a fada Sininho e a leva juntamente com seus irmãos a uma aventura na Terra do Nunca. Lá conhecem os meninos perdidos, e participam de uma fantástica aventura com o terrível Capitão Gancho.
Com um elenco de primeira que irá apaixonar ainda mais a garotada: Willy Roessler, Nicolas Freitas, Ana Regina Alves, Rosangela Andrade, Rafael Guimarães, Gisela Roessler, Matheus Vasconcelos e grande elenco.



Peter Pan (Divulgação)




Serviço
PETER PAN – TEATRO MUNICIPAL DE NITERÓI
Período: 03 a 25 de setembro de 2011
Horário: sáb e dom às 16h
Valor: R$ 40 (inteira) e R$ 30,00 (Com Filipeta).
Classificação etária: Livre
Duração: 50 minutos
Local: Teatro Municipal de Niterói
Endereço: Rua XV de Novembro, 35 – Centro
Informações: 2620-1624




Mostra de obras inéditas de Vanderlei Lopes no Museu de Arte Contemporânea em Niterói até 23 de outubro

O Museu de Arte Contemporânea de Niterói apresentará uma mostra individual do artista Vanderlei Lopes, constituída essencialmente por cinco trabalhos, inéditos na cidade. A exposição terá abertura nesta quinta-feira 1º de setembro, e se estenderá até o dia 23 de outubro.
Vanderlei Lopes ocupará toda a varanda do Museu, com obras próprias, sendo duas delas, produzidas especialmente para essa exposição. Em sua maioria, são trabalhos recentes, realizados entre 2010 e 2011, com exceção ao registro em vídeo Árvore feita em 2005 e Enseada, em 2001. A exposição será composta por peças em bronze, ouro, chumbo, fotografias, vídeos, além de cerâmicas e desenhos. Todos os trabalhos propõem uma relação com a arquitetura do museu, bem como com seu espaço externo, fazendo referência à própria condição de museu; sua relação coma tradição, matérias, espaços e temporalidades diversas.
Na exposição, o artista articulará símbolos apropriados da história da arte ou da realidade, e os inverte preenchendo com água ou os queimando.

Trabalhos da exposição

Inventário, trabalhos feitos com engobe preto sobre cerâmica vermelha, trazem desenhos de pássaros, cachoeiras, aviões em pleno vôo de formação. Propõem analogias entre natureza e cultura e energia em transformação.
Árvore, registro em vídeo em que uma “árvore primordial” é desenhada, no chão, com um rastilho de pólvora. Ao atear fogo a esse rastilho, este o percorre e promove o apagamento do desenho, ao mesmo tempo em que o fixa através da gravação no solo de cimento.
Catedral feita por meio de colagem de elementos góticos, essa escultura de uma catedral idealizada, feita em bronze patinada de verde posta no chão de ponta-cabeça é apoiada pelas próprias torres e com seu espaço interno oco preenchido com água do mar. Sua planta em cruz e seu corpo escalonado para dentro, emoldura a água contida, sugerindo um abismo interno, e provoca o espelhamento do ambiente externo.
, um dente de ouro, em tamanho natural, com a palavra fé escrita ao contrário sobre sua cúspide, à maneira de um carimbo. Sobreposto a um bloco de chumbo, revelando a palavra fé, “carimbada” em seu sentido correto.
Afresco -vídeoinstalação: Dois vídeoprojetores lançam na parede duas imagens simultâneas de mãos modelando, a partir de um mesmo bloco de argila, diversos elementos “extraídos” de afrescos pré-renascentistas. Um cálice, por exemplo, depois de modelado, é amassadodando lugar a um tijolo, que amassado dá lugar a uma coroa, que dá lugar a um osso, e assim sucessivamente. Enquanto a ação é registrada, o resíduo excedente do barro que se seca à mão, vai caindo e se acumulando sobre o anteparo, construindo um registro do tempo da ação.
Enseada: Desenhos feitos com giz sobre papel carbono, constroem uma grande superfície, fazendo alusão à superfície do mar vista da janela.


Catedral (divulgação)

Serviço
Vanderlei Lopes
Visitação: 01 de setembro a 23 de outubro
Preço: R$5
Terça a domingo, 10h às18h (a bilheteria fecha 15 minutos antes). Estudantes com carteirinha e brasileiros acima de 60 anos pagammeia-entrada. Estudantes da rede pública (até o ensino médio) e crianças abaixo 07 anos são isentos. Quarta-feira a entrada é franca.
Museu de Arte Contemporânea de Niterói
Mirante da Boa Viagem,s/nº
2620-2400

O batuque sustentável do Patubatê ministrará oficina e apresentará show no Espaço Cultural Eletrobrás FURNAS nos dias 3 e 4 de setembro

A matéria-prima é reciclável. A consciência, sustentável. No palco, a criatividade do grupo brasiliense PATUBATÊ une música, cultura, meio-ambiente e arte. Os instrumentos impressionam pela simplicidade e inovação. São feitos de latas, baldes, tonéis, bolas de basquete, panelas e até peças de automóveis. O som das sucatas inspira e leva os músicos a criar performances com ritmos como maracatu, samba, funk, afro, frevo, baião e tantos outros. É isso que eles pretendem mostrar na Oficina de Percussão Sustentável, que será realizado neste sábado, 3 de setembro e no show, domingo 4 de setembro, no Espaço Cultural Eletrobrás Furnas. As atividades serão gratuitas e as vagas limitadas.
Nas mãos dos músicos Fernando Mazoni, Fred Magalhães, Gustavo Lavoura, Pablo Maia e o DJ Leandronik, sucata não é lixo, é música. Tonéis, escapamentos de automóveis, chapas de zinco, panelas, latas de refrigerante, eletrocalhas ou peças de caminhão têm um destino muito curioso quando chegam ao alcance dos músicos do grupo. Toda sucata vira instrumento musical.
O grupo surgiu em 1999, com influência dos trabalhos dos norte-americanos Stomp e Blue Man Group e Hermeto Pascoal. O grupo alia criatividade à valorização dos ritmos brasileiros. Surge, então, o diferencial do grupo que é o de explorar a musicalidade brasileira em instrumentos não convencionais, inserindo a música eletrônica, em uma releitura mais moderna. Essa mistura funcionou muito bem e o grupo tem se apresentado por todo o Brasil e, mais recentemente, pela Europa, Estados Unidos e continente africano. Por onde passam chamam a atenção e agradam públicos de todas as idades, sendo citados como o Hermeto Pascoal do século XXI.
O grupo propicia ao público uma verdadeira e impactante experiência visual e sonora. Com essa mania criativa de tirar som de tudo, os músicos valorizam a riqueza rítmica brasileira, mudam a tradicional forma de se fazer música e apresentam um novo conceito: a música ao alcance de todos.
Os shows do grupo PATUBATÊ são visual e sonoramente impactantes. As performances em percussão com sucatas e música eletrônica incluem ritmos como samba, dance, funk e drum'n'bass. Efeitos visuais e sonoros são marcas registradas das criações dos músicos. Água, luz, fogo, som e movimento em performances desafiadoras exploram as percepções do público e tornam o show memorável.


Patubatê no Espaço Cultural Eletrobrás FURNAS (Divulgação)

Serviço
Oficina de Percussão Sustentável
Data: 03 de setembro (Sábado)
Espaço Cultural Eletrobrás FURNAS
Rua Real Grandeza, 219 - Botafogo - Rio de Janeiro
Horário: das 15h às 18h
50 vagas
Classificação: 12 anos
Inscrições gratuitas pelo e-mail: oficinapatubate@guinadaproducoes.com.br
Capacidade: 190 lugares
Tel:(21) 2528 2794

Show Patubatê
Data: 04 setembro (domingo)
Espaço Cultural Eletrobrás FURNAS
Rua Real Grandeza, 219 - Botafogo - Rio de Janeiro
Horário:19h30
Entrada Grátis
Classificação: livre
Capacidade: 190 lugares
Tel:(21) 2528 2794

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Lula contra o Mau no Teatro Vanucci até 3 de outubro no Rio de Janeiro

Em Lula Contra o Mau, o publicitário Lula Vieira e o jornalista Mauricio Menezes travam uma luta sem vencedor no palco onde contam "causos" das suas profissões tentando convencer o público de que uma profissão depende da outra.
Com texto de Mauricio Menezes, a peça tem uma pesquisa aprofundada do acervo de Mauricio, que mostra mais de 30 mil gafes da imprensa, e parte do arquivo do publicitário Lula, com jingles e comerciais que marcaram época em todo país.
No palco, Lula e Maurício tentam convencer o público de que o jornalismo depende da publicidade ou que a publicidade não existiria se o público não fosse atraído pelo jornalismo. A discussão bem-humorada quase leva a dupla à agressão.
Serviço
Lula contra o Mau
Dia: Todas Segundas-feiras
Período: Até 03 de outubro
Horário 21 horas
Ingressos: R$ 50,00 (inteira), R$ 25,00 (meia),
cupom de desconto 70% no www.lulacontraomau.com.br (imprimir e apresentar na bilheteria)
Teatro Vannucci
Rua Marquês de São Vicente, 52 - Shopping da Gávea - 3º piso - Gávea - Rio de Janeiro
Telefone:2274-7246

Lançamento do cd do Grupo Vocal Dá o Tom neste fim de semana 3 e 4 de setembro no Teatro Gonzaquinh​a

O campo da arte reserva grandes alegrias pra quem faz parte dela. Uma delas é a amizade misturada ao valor de um trabalho. Foi assim que há 10 anos surgiu o grupo vocal Dá o Tom, que das aulas em uma escola de música foi alçado a uma esfera profissional pelo tempo de estrada, mas sem deixar a essência de lado. O grupo vocal apresenta seu rebento, o cd Dá o Tom, primeiro trabalho em que interpreta a MPB com uma assinatura própria e com muita maturidade. 
Formado atualmente por 16 membros (sopranos, contraltos, tenores e barítonos), é capitaneada por Dalton Coelho, idealizador e diretor musical do grupo, professor de canto e produtor do CD. “Tudo começou com um fim didático, em uma escola de música. E com o desenvolvimento musical de todos, foi automático formar um grupo para apresentações”, explica Dalton.
Conhecidos como um grupo que faz o chamado “Coro Cênico”(canto com movimentação cênica),  desenvolveram uma forma bem democrática de trabalho, onde cada um tem sua função. E isso vem de uma explicação simples: 13 cantores têm suas atividades formais de trabalho (executivos, empresário, professores, publicitário, secretária), o que fez cada membro saber sua função dentro do grupo, desde produção até a parte artística.
"Se a gente fosse mais profissional, não seríamos tão amigos”, diz a soprano e produtora Juliana Veronezi, que, com a frase sintetiza o clima do grupo. É comum vê-los juntos em bando (como gostam de dizer) brincando com a voz, seja no almoço depois do ensaio, na rua ou em algum evento público.


Dá o Tom (independente)



De um trabalho longo de apresentações, o cd veio ratificar tudo que já foi feito até então pelo o Tom. Com 10 músicas rearranjadas e muito apresentadas ao vivo em shows, o CD traz uma gama de referências da música brasileira. “A gente buscou na MPB tudo que gostamos e que caiu bem ao nosso estilo vocal e cênico”, conta Dalton , que também assina a preparação vocal e a regência.
O tom do cd não desafina: vai desde as referências musicais de Noel Rosa (Com Que Roupa) Caetano e Milton (Paula e Bebeto), Chico (Feijoada Completa, Baioque), Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira (Qui nem Jiló),Vinícius de Moraes (A Casa), Gonzaguinha (Tá na Cara) e Edu Lobo (Sobre Todas as Coisas), até os compositores contemporâneos como Carlinhos Brown (Segue o Seco) e Rodrigo Maranhão (Caminho das Águas).
Além do auxílio do baixista Didier Fernan, do cavaquinista André Moreno e do pianista Gabriel Geszti, o grupo contou com o carinho e as baquetas do percussionista Robertinho Silva em estúdio. O projeto gráfico ficou a cargo do tenor e publicitário Sandro Barretto, e retrata bem a vida no Rio de Janeiro: peladas de futebol, cantores, amor, pipas, prédios, esquinas musicais, dança e música.

Show de Lançamento do primeiro CD





O Show, além de ser o lançamento do primeiro cd da turma,é um apanhado de 10 anos de trabalho e vem com uma produção cuidadosamente alinhavada: cenário, figurino e cenografia. Serão 18 músicas em 90 minutos de vocais auxiliados pelo violão de Dalton Coelho e a percussão de Éber Freitas, onde o público assistirá a um vasto repertório, com as músicas do cd e ainda aquelas que fazem parte da história do Grupo, como “Canário do Reino” (Carvalho e Zapata), conhecida na voz de Tim Maia e que foi a primeira música executada cenicamente pelo Dá o Tom. O repertório inclui ainda “Bola de meia, bola de gude” (Milton Nascimento e Fernando Brant), “Cadê Você” (Chico Buarque e João Donato),“Conversa de Botequim” (Noel Rosa e Vadico), “Lavadeira do Rio” (Lenine e Bráulio Tavarez), “Meu País” (Ivan Lins e Vitor Martins), “O sol nascerá”(Cartola e Elton Medeiros) e “Telegrama” (Zeca Baleiro). A direção cênica do espetáculo é de Joana Lebreiro.




Serviço:
Show de lançamentodo cd do Grupo Vocal Dá o Tom
Teatro Municipal Gonzaguinha (instalado dentro do Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian)
Rua Benedito Hipólito, 125 – Praça Onze (Estacionamento grátis)
Dia e hora: Dia 3 de setembro (sábado): às 19 horas /  Dia 4 de setembro (domingo): às 18 horas
Ingresso: R$30 (inteira), R$15 (meia), R$20 (antecipadoe com filipeta)
Informações: (21) 8851 4785
Capacidade: 180 pessoas
Classificação: Livre



Thaís Fraga no Bossa'n Jazz no Hotel Sofitel

Neste sábado, 03 de setembro, às 21 horas, a cantora Thaís Fraga, voz e tamborim estará se apresentando após o sucesso obtido na sua temporada deste ano, no Hotel Sofitel, com o seu trio, Ricardo Mac Cord (teclado), Jimmy Santa Cruz (baixo) e Rubinho (bateria), num repertório de brazilian jazz, samba-jazz e bossa nova, com aquele swing habitual, que é a marca principal da artista e dos músicos que a acompanha. Em seu repertório acontecerão vários standards da bossa nova e do samba-jazz, em versões personalizadas, com a vibração e dinâmica da sonoridade e interpretação do quarteto, já conhecidas e avalizadas pelo grande público e a crítica especializada.
 Thaís Fraga (divulgação)






Serviço
Thaís Fraga no Bossa 'n' Jazz
Hotel Sofitel
Dia: 03 de setembro (sábado)
Horário:às 21 horas
Avenida Atlântica nº. 4240 -  Nível E - Posto 6 - Copacabana - Rio de Janeiro
Mais informações: (21) 25251232
Capacidade: 80 lugares
Couvert Artístico: R$20,00 (preço único)
Censura: Livre (menores devem estar acompanhados dos responsáveis)
Contato (Thaís): thaisfraga@hotmail.com - Tel.: 21 22398357/95137496

Claudio Lins ensaia para show em São Paulo

Na reta final das gravações da novela Amor & Revolução do SBT, Claudio Lins aproveitou sua folga nesse domingo para reunir a banda e ensaiar para o show que será apresentado nesta sexta-feira, 02 de setembro, no Café Panõn em São Paulo. No repertório apresentará músicas de seu CD Cara incluindo algumas releituras e ainda promete apresentar suas composições inéditas.



Serviço
Claudio Lins no Café Paón
Dia: 02 de setembro (sexta-feira)
Horário: 21:30
Couvert: R$ 60
Café Paón
Avenida Pavão 950 - Moema - São Paulo
Maiores informações: (11) 5531-5633 / (11) 5533-5100

Grupo Roda de Bamba agita o Espaço Cultural Gabinete na Lapa

O Grupo Roda de Bamba surgiu no cenário musical carioca em 1996. Nesses 15 anos de estrada, já dividiu o palco com grandes nomes da nossa música como Dona Ivone Lara, Monarco, Leci Brandão, Almir Guineto, Diogo Nogueira, Luis Carlos da Vila, Zeca Pagodinho e Arlindo Cruz.
Formado por Ricardinho Ribeiro (vocal e cavaquinho), Raul André (vocal e surdo), Pé de Pano (violão) e Dinho (pandeiro e cuíca), o Grupo Roda de Bamba finaliza a produção do disco de estreia intitulado Em Alto e Bom Som, aguardado para esse ano. Dentre as músicas de trabalho estão Dívida (Tonho Crocco) e Em Alto e bom som (Fred Camacho e Cassiano Braga), ambas produzidas pelo cantor e compositor Leandro Sapucahy, e Herdeiros (Ricardinho Ribeiro, Écio de Salles e Gil Ribeiro), com produção do próprio grupo.
Essas músicas serão apresentadas ao público nas sextas-feiras, 02 e 09 de setembro, em uma grande festa no Espaço Cultural Gabinete, na Lapa, Centro do Rio.
Os shows acontecerão a partir das 22 horas e custam R$ 20. Quem mandar o nome completo para o endereço eletrônico da casa (listagabinete@gmail.com) pagará apenas R$ 15.
O Grupo Roda de Bamba tem como marca registrada a animação. Ao passearem por clássicos da música brasileira, sem perder a cadência do samba, contagiam o público transformando os shows em uma verdadeira festa. As apresentações contarão também com sucessos de Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal, Beth Carvalho, Revelação, Exaltasamba e uma leitura especial para hits de Marcelo D2, Seu Jorge e João Bosco.
Em 2010 o Grupo Roda de Bamba venceu, ao lado de Lenine, Marcelo D2, Mart`nália e outros, o Prêmio Capital Cultural como o melhor show do Café Cultural Sacrilégio, também na Lapa.



Grupo Roda de Bamba na Lapa (Divulgação)

Serviço
Grupo Roda de Bamba no Espaço Cultural Gabinete
Dias: 02 e 09 de setembro (sextas-feiras)
Horário: 22 horas
Rua do Senado, 53, Lapa - Rio de Janeiro
Entrada: R$ 20,00 (Lista amiga R$ 15,00)
Classificação: 18 anos
Informações: (21) 2224-0822

Feijoada da Família Portelense recebe neste sábado o cantor Leandro Sapucahy

Os amantes da boa música poderão  conferir o novo show do cantor Leandro Sapucahy neste sábado, 03 de setembro na tradicional Feijoada da Família Portelense, a partir das 13 horas, no River Futebol Clube, em Piedade, na zona norte do Rio de Janeiro.Quem acompanha o artista é o Grupo Gilsinho e seus capangas que canta o melhor do samba de raiz.
Leandro  subirá ao palco do River para mostrar aos fãs que pediram o seu show  na Feijoada da Portela, as músicas que compõem o seu novo CD “Malandro Também Ama”, que é o quarto disco da carreira de Leandro Sapucahy, com produção do próprio artista e dedicado a Zeca Pagodinho.
Entre as músicas que o cantor selecionou para esta nova apresentação estarão nove faixas do novo álbum, como A que mais deixa saudade (Serginho Meriti) e Eu não quero mais saber de nada (Serginho Meriti e Mariozinho Lago), que estava na trilha sonora da novela Insensato Coração, da TV Globo.
Para encerrar a noite, a bateria “Tabajara do Samba" sob a batuta do mestre Nilo Sérgio, o intérprete Gilsinho, ala de passistas show  coordenada por Nilce Fran e Valci Pelé e casais de mestre-sala e porta-bandeira fazem um show de encerramento com grandes clássicos que marcaram época na azul e branca de Oswaldo Cruz e Madureira.

Leandro Sapucahy em Piedade (Divulgação)

Serviço:
Feijoada da Família Portelense com o show de Leandro Sapucahy
Data: 03 de Setembro (Sábado)
Horário: 13 horas
River Futebol  Clube - Rua João Pinheiro, 426, Piedade - Rio de Janeiro
Entrada: R$ 10 (preço único)
Feijoada: R$ 15
Maiores Informações: 2593-0591 / 2596-5999
Classificação: Livre 

Engenho do Campo retoma atividades nesta terça-feira em Uberlândia - Minas Gerais

Distribuição de duas mil mudas estão entre as ações previstas para os próximos meses

Após muitos encontros e discussão sobre como cada um pode, através de ações cotidianas, ajudar a minimizar os impactos no meio ambiente, é hora dos estudantes universitários que integram o projeto Engenho do Campo colocarem em prática o que vêm aprendendo.
A partir do próximo encontro, que acontecerá nesta terça-feira 30 de agosto, o grupo partirá para o cultivo e seleção das duas mil mudas de árvores que distribuirão em eventos a partir do início da primavera.
“As oficinas do Projeto acontecem mensalmente e são pautadas na perspectiva das três ecologias (dimensão pessoal, social e ambiental) e da pedagogia dos 4Rs (Repensar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar). A partir do próximo encontro, começaremos a vivenciar algumas ações discutidas, mesclando teoria e prática”, conta Francine Rezende, artista-educadora do EMCANTAR e coordenadora do Engenho do Campo.
A iniciativa é resultado de uma parceria entre EMCANTAR; ENGESET, CAT - Centro Alternativo de Tecnologia; e IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente.
Para o estudante do 7º período do curso de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Leandro Oliveira Silva, participar do Projeto Engenho do Campo é uma oportunidade de aprimorar sua formação e contribuir para o desenvolvimento de ações que diminuam os impactos ambientais. “Certamente para mudar o mundo, devo começar por mim, não é mesmo? Podemos melhorar muita coisa, é preciso coragem”, afirma Leandro.


Viveiro do projeto do Engenho do Campo (Divulgação)
Serviço:
Encontro do Projeto Engenho do Campo no Viveiro de mudas da ENGESET
Dia: 30 de agosto
Horário: 14h às 17h

domingo, 28 de agosto de 2011

Feijoada da Porto da Pedra é eleita a segunda melhor do Rio de Janeiro

Evento do Tigre conquista vice-campeonato no concurso Feijoada nota 10 do Festival Rio Gastronomia


A tradicional feijoada da Porto da Pedra foi eleita neste sábado, 27 de agosto, a segunda melhor do Rio de Janeiro, no concurso Feijoada nota 10, do Festival Rio Gastronomia, organizado pelo jornal O Globo. Além de samba no pé, o Tigre mostrou que seu feijão, feito pela Dona Ângela, agrada ospaladares mais exigentes. Durante a apuração, realizada no Circo Voador, a comunidade da vermelha e branca compareceu e agitou o evento. Segundo o presidente da escola, Francisco Marins, o vice-campeonato teve sabor de título.
“Estamos muito felizes com o resultado do concurso. Desde que assumimos a direção, nossa equipe tem trabalhado muito para valorizar cada vez mais a comunidade de São Gonçalo e fortalecer a imagem da Porto da Pedra. Este ano está sendo muito especial. Estamos organizados e uma prova disso foi a nova roupagem que demos a feijoada da Família Tigre há três meses. Somos a segunda melhor doRio e essa colocação tem gosto de título.”- disse o presidente.
Para Dona Ângela, responsável pela feijoada, a premiação é motivo de orgulho. “Coloco muito amor e dedicação na hora de fazer o feijão. Estou muito feliz e orgulhosa.Com tantos anos de Porto da Pedra, temos agora a nossa feijoada eleita como uma das melhores do Rio de Janeiro.”- afirmou, emocionada, a chef do Tigre.




Feijoada Nota 10 (Divulgação)



A próxima oportunidade para quem quiser saborear a Feijoada Nota 10 da Dona Ângela será no dia 10 de setembro, a partir das 13 horas, com o show do cantor Alex Ribeiro. A quadra da Porto da Pedra fica na Av. Lúcio Tomé Feteira, 290, Vila Laje, São Gonçalo – RJ.
Mais informações: 21 3707-1518

Vira-Latas os verdadeiros Cães de Raça


Venha fazer parte dessa campanha você também!!

Vira-latas é um projeto pioneiro cultural e educativo idealizado pelo autor Tiago Ferigoli. Com o objetivo de conectar diferentes segmentos. Ser a ponte entre o segmento PET como demais segmentos. De forma criativa e envolvente estamos atraindo a atenção de todos para as reais causas do abandono e maus tratos. Afinal, estamos todos conectados, vivemos todos no mesmo planeta.






Assim como os artistas: Thelma Guedes, Duca Rachid, Kim Kamberlly, Bruno Araujo, Edwin Luisi, Débora Olivieri, Sylvia Massari, Keff Oliveira, João Cunha Mouhamed Harfouch, Janaína da Cunha, Rômulo Narducci, Munir Kanaan, Silvio Matos e outros.
Também fazem parte dessa campanha os artistas mirins: Bárbara Maia, Sofia Terra, Caio Manhente, Bernardo Simões estão apoiando, apóie você também!!!!
Outras informações só acessar:  www.vira-lata.com

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Décio Rocha em consertos receberá Rita Ribeiro no Teatro Odisséia na Lapa

 Nesta quinta-feira, 1º de setembro, o baixista Décio Rocha lançará seu quarto CD, “Quando Estou Dormindo Nem Sempre Sei Por Onde Ando”, produzido por Zeca Baleiro, que participa em duas faixas. No show, a convidada é Rita Ribeiro, companheira de longa data do músico e uma das incentivadoras de sua carreira solo. O evento será no Teatro Odisséia, na Lapa, e iniciará às 20 horas, com a exibição de curtas, uma homenagem póstuma à Estamira, protagonista do documentário do diretor Marcos Prado - que teve a trilha sonora feita por Décio - apresentação do violonista André Muato e o show principal. Os ingressos custam R$ 25.
Décio Rocha é instrumentista, compositor e artesão. Nascido em Pernambuco, no bairro de Peixinhos, foi lapidando sua carreira tocando pelos bailes da região. Durante esse período solidificou seu nome na cena pernambucana, incluindo sua participação na Banda de Pau e Corda, uma das mais importantes do Estado.
Décio Rocha tem como diferencial maior em sua obra a construção de seus próprios instrumentos a partir da sucata e materiais inusitados. Além do seu trabalho como luthier de resíduos aparentemente inúteis, Décio produz brinquedos com materiais que, até então, seriam descartados, o que lhe rendeu uma exposição no Espaço Tom Jobim em 2006. Com isso, Décio Rocha desconstrói o lixo e o reinventa em cor, forma e som, de maneira extremamente original.
Os primeiros instrumentos de Décio Rocha foram surgindo e recebendo nomes inusitados como: Metrola, Rochimbau, Bayma, Pirâmide e vários outros, formatando a partir deles seus discos Talvez não Seja Assim, Peixinhos e Estamira, que teve várias faixas como trilha sonora original do documentário de mesmo nome do diretor Marcos Prado, Vencedor dos Festivais internacionais de Marseille (França) e Karlovy Vary (Tchekoslovaquia).
Baixista virtuoso, Décio Rocha é reverenciado pelos melhores baixistas do Brasil, tais como Artur Maia e Adriano Giffone. Sua técnica e o fato de tocar invertido por ser canhoto, acabaram resultando em uma sonoridade muito especial. Sem falar de sua perfomance com os instrumentos criados por ele próprio, com os quais ele demonstra seu domínio e técnicas impressionantes. Não é à toa que, em 2008, num dos momentos de maior reconhecimento de sua carreira, Décio recebe o Troféu Cata-Vento, cedido pela Rádio Cultura Brasil de São Paulo, como melhor trilha sonora pelo CD Estamira.
Em 2010, Décio Rocha grava seu mais atual álbum "Quando Estou Dormindo Nem Sempre Sei Por Onde Ando". Produzido pelo cantor e compositor Zeca Brasileiro, o álbum do instrumentista reuni todas as influências acumuladas ao longo da carreira e revela um dos momentos de maior expressão do músico.
O projeto receberá no Teatro Odisséia, ao longo de seis meses convidados para participarem dessa pluralidade de Décio Rocha. Será uma apresentação por mês com convidados como Zeca Baleiro, Joanna, Rita Ribeiro, Danilo Caymmi, Chico César e Fátima Guedes.
Décio em ConSertos” não apresenta apenas um caráter eventual, o de realizar shows que quebram a rotina de determinada cidade e entretêm, mas revela-se como uma iniciativa mais completa, configurando-se como uma ação cultural que leva à comunidade a essência do artista sob todas as perspectivas em que ele trabalha, nas artes plásticas, com seus brinquedos e instrumentos musicais, nas artes visuais onde suas músicas fazem parte de trilhas sonoras, e o trabalho de percepção diferenciada da música, através da reutilização de seus resíduos, da ressignificação da produção.




Serviço
Décio Rocha em Consertos receberá Rita Ribeiro 
Show de abertura  com André Muato
Dia: 1º de setembro (Quinta-feira)
Horário: 20 horas
Ingressos: R$ 25
Lista amiga: R$ 15 até às 23h / R$ 20 após às 23h / redacao.cult@gmail.com
Teatro Odisséia
Rua Mem de Sá, 66 - Lapa - Rio de Janeiro
Mais informações: (21) 2224-6367 / 2266-1014


Hospital Universitário Pedro Ernesto oferece curso e tratamento para quem quer parar de fumar

Dia Nacional de Combate ao Fumo será comemorado nesta segunda-feira, 29 de agosto, no Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ, através de seu Programa de Controle do Tabagismo, realizará na  uma palestra com com a dra. Alessandra Costa sobre “Como parar de fumar?”.
No evento, serão abordados os principais problemas causados pelo tabagismo, as dificuldades dos que desejam parar de fumar e será feita a exibição de trechos de filmes sobre o tema.
Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o número total de mortes devido ao uso do tabaco é de 4,9 milhões por ano, o que corresponde a mais de 10 mil mortes por dia. No Brasil, os números também são alarmantes, com cerca de 200 mil mortes por ano no país.
O tabagismo é o maior responsável por 30% das mortes por câncer, 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença coronariana, 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica e 25% das mortes por doença cerebrovascular. Outras doenças que também estão relacionadas ao uso do cigarro são aneurisma arterial, trombose vascular, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias e impotência sexual no homem, conforme informações do INCA.
A palestra “Como parar de fumar” será de 9h às 12h, no Auditório Ney Palmeiro, no HUPE. Com entrada franca e os interessados farão exames de monoximetria e teste de dependência da nicotina, e poderão se inscrever no Programa durante a palestra.


Palestra: “Como parar de fumar” no HUPE (divulgação)

Serviço
Palestra: “Como parar de fumar
Dia: 29 de agosto (Segunda-feira)
Horário: 9h às 12h
Hospital Universitário Pedro Ernesto / UERJ, Av. 28 de Setembro, 77, em Vila Isabel - Rio de Janeiro

Projeto 'Vamos ao cinema!' leva jovens da rede pública de Brasília à assistirem filmes pela primeira vez

Na última terça-feira, dia 23 de agosto, aconteceu mais uma etapa do projeto “Vamos ao Cinema!”. Com patrocínio da Petrobrás, a iniciativa proporciona a ida de estudantes de escolas públicas às mais modernas salas de projeção. Em cada sessão, são transmitidos os filmes mais novos do mercado e o público ainda tem direito a pipoca e refrigerante, ou seja, a experiência completa.
Para uma sessão exclusiva do filme Capitão América em 3D, no Cinemark do Pier 21, foram levados 450 alunos do Centro de Ensino Fundamental 02 da Estrutural, do Centro Educacional 02 do Guará I e do Centro Educacional 01 do Guará II. Muitos deles nunca haviam ido ao cinema até então.
“Foi uma das melhores sensações da minha vida”.  Assim resume Isaac Ferreira da Rocha, aluno do 2º ano do projeto de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e estuda no Centro de Ensino Fundamental 02 na Estrutural, sobre sua primeira experiência em uma sala de cinema. Ele, que é cadeirante e estuda a noite, reclama da falta de oportunidades. “Muita gente não tem condições de frequentar um lugar como esse. A gente, que é cadeirante então, adquire menos oportunidades na vida. Na verdade, é um sonho que estou realizando hoje”. Após o filme, emocionado, Isaac disse: “Não tenho palavras para dizer o quanto eu gostei. É um momento único, a tela e mais ninguém. Agora eu posso dizer, afirmar e assinar: realmente o cinema é uma das culturas mais legais que existem. Vai ficar na memória”.


 Alunos felizes com o Projeto Vamos ao Cinema (Divulgação)

O “Vamos ao Cinema!” foi criado há três anos pela produtora cultural Valéria Marcondes, e já viabilizou o contato de quase 6 mil alunos com uma nova forma de comunicação. Ela comemora os resultados e fala sobre a emoção de ver o projeto acontecer: “Foi uma alegria imensa e a certeza de que vale a pena trabalhar firmemente para expandir o projeto, que é um sucesso. Ontem, tivemos a oportunidade de levar uma gama muito especial de estudantes, já de idade avançada, que nunca tinham entrado numa sala de cinema. Quanto aos jovens, nem se fala. Fico imaginando os comentários que farão durante toda a semana em casa, na escola, na comunidade, por terem visto o Capitão América em 3D”.
Agora, a produtora está em busca de mais patrocinadores e apoiadores para dar continuidade a esse trabalho, e assim atingir a meta de levar 7 mil jovens por ano ao cinema. Marcondes sabe da importância do projeto na formação desses alunos: “Ao colocar os estudantes de segundo grau em contato com a sétima arte, em seu próprio ambiente, numa situação atual, com tecnologia em 3D, estamos ampliando o universo cultural desses jovens, ampliando a sua capacidade de escolha com conhecimento de causa e, consequentemente, contribuindo para a sua formação como cidadãos”, comenta.

Projeto Vamos ao Cinema levando cultura a jovens (divulgação)

A próxima sessão será 30 de agosto, no Cinemark do Pier 21, às 8h30. Estudantes do Guará I e II assistirão ao Capitão América e, logo, após o filme, assistirão a uma palestra com profissionais do ramo cinematográfico. Sendo uma forma de mostrar aos estudantes o cinema como possibilidade profissional.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Fotografias Artísticas de Bruno Di Bello no Museu de Arte Contemporânea de Niterói até 23 de outubro


Bruno Di Bello, expoente da arte contemporânea italiana, mostrará sua arte no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, no período de 01 de setembro a 23 do outubro.
Bruno Di Bello, em 1958, forma o “gruppo ‘58” com Biasi, Del Pezzo, Fergola, Luca e Persico. Seu trabalho se diferencia daqueles dos seus amigos, ligados ao movimento ‘nuclear’ de Baj, por uma referência a uma arte do signo, abstrata, mais próxima das experiências de anulação da pintura.
É de 1962 sua primeira exposição individual na Galleria 2000 de Bolonha; em 1966 expõe em Nápoles na Modern Art Agency de Lucio Amelio e começa a usar a fotografia como próprio meio de realização artística. Em 1967 se estabelece em Milão, onde, em grandes telas fotográficas, experimenta uma série de releituras das experiências das vanguardas históricas, desenvolvendo uma idéia de arte como reflexão sobre a história artística.


Serviços:
Bruno Di Bello – MAC
Período: 01 de setembro a  23 de outubro
Preço: R$5
Horário: Terça a domingo, 10h às 18h (a bilheteria fecha 15 minutos antes).  Estudantes com carteirinha e brasileiros acima de 60 anos pagam meia-entrada. Estudantes da rede pública (até o ensino médio) e crianças abaixo 07 anos são isentos. Quarta-feira a entrada é franca.
Local: Museu de Arte Contemporânea
Endereço: Mirante da Boa Viagem,s/nº - Icaraí
2620-2400 • Fax: (21) 2620-2481
www.macniteroi.com.br

Padre Jô lançará seu sexto CD no Teatro Municipal


No lançamento de seu sexto CD, Padre Jô realizará nos dias 02,03 e 04 de setembro o show As Coisas Mais Simples, no Teatro Municipal de Niterói.  O repertório mescla canções do artista e jóias da música católica, como também da música popular brasileira, especialmente as que evocam temas da espiritualidade, do compromisso com a vida, da fraternidade e da paz.
Com um trabalho religioso e artístico já bastante conhecido na cidade de Niterói, também neste novo CD PE. Jô distingue-se por seu estilo bastante livre em relação aos padrões convencionais de música cristã e a maneira original de apresentar a mensagem de Jesus às pessoas de nosso tempo.
Além da apresentação de músicas do novo CD (dez canções em parceria com Demetrio Gil e outros parceiros) e antigos sucessos de seu repertório, PE. Jô transmite ao público uma mensagem de esperança e de otimismo, num momento ímpar de espontaneidade, de fé e de alegria.

Padre Jô


Padre Jô é sacerdote da congregação orionita, nascido em Conselheiro Lafaiete (MG), no seio de uma família muito religiosa e com o sangue artístico correndo nas veias. O avô materno era trompetista de tradicionais bandas de música do interior de Minas, deixando aos netos um legado de paixão e sensibilidade musical. Desde criança Padre Jô sentia um apelo de Deus para uma vida de dedicação ao serviço religioso, por isso, ainda muito jovem entrou para as fileiras da Congregação dos Filhos da Divina Providência, fundada por São Luís Orione.
Além da formação específica para a vida sacerdotal, que inclui a graduação em Filosofia e Teologia, Padre Jô é graduado em Psicologia e tem várias especializações na área da Comunicação e das Ciências Humanas.  Desde 2005 está à frente da Paróquia São Francisco Xavier, zona sul de Niterói, e através da fé encontra inspiração para desenvolver seu trabalho religioso e artístico, realizando esporadicamente shows e apresentações que visam integrar a comunidade e ajudar nas obras da Paróquia.
E foi justamente nos primeiros anos de seminário, em Belo Horizonte, que Padre Jô começou a desenvolver o seu dom de cantar nas várias apresentações artísticas que aquele ambiente proporcionava. Na mesma ocasião foi convidado para participar como solista em alguns discos de música sacra do compositor e cantor PE. José Cândido da Silva, na época um sacerdote orionita. Desde então participou de festivais e shows com composições próprias, atuou em corais e em vários eventos e celebrações, destacando-se pela sensibilidade artística e pelo carisma com que cantava aquilo no qual acredita. Em 1980 foi o primeiro colocado no festival de música sacra promovido pela Arquidiocese de Belo Horizonte com a canção “Vou Renascer”.
Somente depois de ordenado sacerdote, em 15 de setembro de 1991, em meio a sua atuação pastoral junto às Comunidades de Base do interior do Estado do Espírito Santo, PE. Jô decide reunir suas composições e gravar seu primeiro CD (Inexplicável Amor) lançado no final de 1998 e nele cantando a sua própria vocação ao serviço religioso, expressando, assim a grande admiração do coração humano diante do plano amoroso que Deus tem para cada um. O CD tem doze composições inéditas que versam sobre o amor de Deus, sobre a experiência pessoal do chamado e sobre outros temas religiosos.
Transferido para o Rio de Janeiro inicia a preparação do segundo CD (Sem Perder a Ternura), em 2001,  agora com o selo da Editora Vozes. Destacam-se a gravação de músicas inéditas de outros compositores e canções já consagradas, além de suas próprias composições. Os arranjos e os músicos contratados para este trabalho foram de altíssimo nível e a produção esmerada teve ótima aceitação. Neste álbum o artista realça a importância do cristão ser um verdadeiro profeta no mundo, sem perder a capacidade de amar a todos, dialogando com as culturas, as religiões e as diferenças que nos distanciam.
Em maio de 2004 Padre Jô lançou o seu terceiro CD, chamado Humano, em parceria musical com Demétrio Gil, que também faz a produção e direção artística do trabalho. A tônica central deste CD é o destaque dado à humanidade de Cristo, que tem fortes implicações na maneira como vivemos a espiritualidade cristã e sobre o rumo que damos a nossa própria humanidade. Daí nascem os temas tratados nas canções, como o nosso profundo desejo de vida, de paz e de liberdade. O trabalho foi dedicado a São Luís Orione, um contemplador de Deus na história, nos sinais dos tempos e no sofrimento humano. O santo foi canonizado justamente nesta ocasião. A partir de então realizou diversas apresentações pelo interior do país, especialmente nas regiões onde atuam os orionitas tais como Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.
No mês de junho de 2006 Padre Jô lançou o CD, intitulado Quando Tudo Passar. O CD é fruto das inspirações e das percepções do Caminho de Santiago de Compostela que Padre Jô acabara de percorrer em sua estadia na Europa. Assim, na intuição do artista, o disco é uma metáfora do desejo de um caminho mais original, no qual o nosso jeito de vagar, de produzir e de amar possa ser mais inteiro e instigante. O lançamento do CD se deu com um show que contou com a participação de adolescentes do coral Agnes Moço de Niterói. Depois desta primeira iniciativa, em Niterói, muitos outros eventos foram realizados em parceria com uma banda jovem comprometida com apresentações de qualidade, afinados com a fé.
Em comemoração aos dez anos de carreira artística, Padre Jô realizou o show Meu Canto, com participações especiais do Coral Agnes Moço. O último CD lançado foi Fragilidade, em parceria com Demetrio Gil que assinou também a direção do trabalho. O CD foi apresentado à comunidade de Niterói no dia 29 de março de 2008 e tem agradado por seu estilo bastante livre em relação aos padrões convencionais de música cristã e a maneira original de apresentar a mensagem de Jesus aos jovens e as pessoas de nosso tempo. “É um canto que nasceu de onde se é capaz de tirar forças de nossa própria vulnerabilidade diante do mundo, com a serenidade que brota da maturação conquistada com a vida e seus limites, seus ganhos e perdas”, segundo Padre Jô. O lançamento do 5º CD do aconteceu na paróquia de São Francisco em Niterói com apresentação de algumas músicas do novo CD e antigos sucessos de seu repertório.
Participou de dois shows da cantora católica Adriana, em São Gonçalo e Niterói. Sua aceitação pelo público católico ficou manifesta na participação que teve no show de Padre Fábio de Melo, em São Gonçalo, onde o artista, acompanhado apenas de um violão, fez a platéia vibrar e se emocionar com seu desempenho.
Em continuidade ao seu trabalho religioso e artístico, Padre Jô lança, agora, no Teatro Municipal de Niterói seu mais novo CD com o título de As coisas Mais Belas São as Coisas Mais Simples.


Padre Jô no Teatro Municipal de Niterói (Divulgação)



SERVIÇO:
Show As Coisas Mais Simples com Padre Jô
Dias: 02, 03 e 04 de setembro
Horário: sex  e sáb às 21h, dom às 20h
Valor: R$50
Classificação etária: Livre
Duração: 80 minutos
Local: Teatro Municipal de Niterói
Endereço: Rua XV de Novembro, 35 – Centro
Informações: 2620-1624
Outras Informações: Rafael Mose (7855-9084 ID: 83*89915 / 8891-1885 / rafaelmose@gmail.com)

Psiquiatra francês falará sobre o uso problemático dos videogames no HUPE/UERJ

Com sua experiência de mais de 30 anos e inúmeros livros publicados abordando mídia, imagens, tecnologias e a relação de pais e filhos, o psiquiatra, psicanalista e diretor de pesquisas da Universidade Paris X, Serge Tisseron, fala nesta segunda-feira, 29 de agosto, às 10h30, no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE/UERJ), com profissionais de saúde e a comunidade sobre a influência dos videogames nos jovens e seus reflexos na sociedade e na vida familiar.
Em entrevista concedida em outubro passado, quando esteve no Brasil para um seminário, Tisseron falou, dentre outras coisas, sobre a violência a que as crianças estão expostas ao assistir TV ou entrar na internet. Mas, o psiquiatra acha que não se deve restringir o acesso às imagens violentas, porque, segundo ele, “a violência está em toda parte e dificilmente se tem controle sobre esse conteúdo. Mas é importante insistir na cooperação, na compaixão, na solidariedade para que um maior número de crianças evolua."
Tisseron também chama a atenção para a “fratura geracional” entre pais e filhos devido as novas tecnologias. “Adultos e crianças podem ter a ilusão de estar no mesmo mundo, mas já não vivem num universo semelhante, porque os referenciais mudaram.”
A palestra será no Auditório Washington Loielo, do Setor de Psiquiatria do HUPE, com entrada franca nesta segunda-feira, 29 de agosto, às 10h30, e estará aberto para profissionais e estudantes da área de saúde e também a comunidade.


Palestra com o psiquiatra Serge Tisseron no HUPE (divulgação) 




Serviço
“Uso problemático dos videogames” - Palestra com o pesquisador  e psiquiatra Serge Tisseron
Dia: 29/08/11 (Segunda-feira)
Horário: às 10h30
Local: HUPE – Hosp. Universitário Pedro Ernesto / UERJ, Av. 28 de Setembro, 77, em Vila Isabel
Informações: 2868-88013

Restaurante dos Deuses com um cardápio de primeira e vinhos de qualidade no Olimpo em Niterói

Projetado por Oscar Niemeyer e decorado pelo arquiteto francês Gilles Jacquard, o restaurante Olimpo fica em uma das áreas mais privilegiadas de Niterói: de frente para a Baía de Guanabara. Em contato direto com o mar e a natureza, localizado na Estação Hidroviária de Charitas, possui uma vista fascinante, daquelas para ninguém colocar defeito. Além disso, o cardápio é dos deuses, com sugestões variadas, especiais e exclusivas.  Com uma qualidade e excelência  seleção de vinhos também faz a honra da casa.

Restaurante Olimpo (divulgação)

Serviço
Restaurante Olimpo
Estação Hidroviária de Charitas, 2º piso
Av. Quintino Bocaiúva, s/nº - Charitas - Niterói - RJ
Tel.: (21) 2711-0554
Estacionamento privativo com manobrista
Funcionamento: Segunda a sábado, das 12h à 1h ; Domingo, das 12h às 19h.

Show da Banda Spin XXI no Teatro Municipal de Niterói

A banda SPIN XXI se apresentará nesta quinta-feira, 1º de Setembro, às 20 horas, no Teatro Municipal de Niterói. A banda conhecida como SPIN na década de 70, também teve o nome de Contraponto (em 1978/1979) quando assumiu formação diferente, (na época uma temporada de três dias no Teatro Municipal de Niterói foi sucesso com casa lotada).  À volta aos palcos trouxe uma nova suíte de 25 minutos além das músicas do CD Contraponto, lançado no Brasil, Europa, EUA e mundo afora.
Mantendo-se fiel ás suas origens, com uma mistura de vários estilos, (clássico, jazz e rock...), mas predominantemente Progressivo Sinfônico. A banda define o seu som como MPB (Música Progressiva Brasileira), aonde as influências brasileiras de ritmos não aparecem claramente estampadas nas composições do grupo, mas sim assimilados e adaptados.
Apesar da influência folk, acústica e country SPIN XXI é uma banda elétrica, mas acima de tudo eclética. Preservando o espírito da música arte dos anos 70, em suas composições e sonoridade.
Reuniram-se, pela primeira vez em 1972 e hoje fazem parte da formação:
Kakao Figueiredo (vocais principais, instrumentos incidentais - teclados, guitarras e percussões) dono de um estúdio em Niterói, estudou canto lírico com o barítono Paulo Fortes e regência na UFRJ. Dentre suas principais influências estão Peter Gabriel, Milton Nascimento e Raul Seixas;
Tatoo Magdalena (guitarras e violões e vocais) guitarrista de mão cheia que utiliza a técnica de tocar guitarra com dedeiras (como no Banjo) para atingir resultados inesperados. Entre suas influências estão: Santana, Bela Fleck, Steve Howe e Steve Hacket;
Eraldo Márcio Corrêa (teclados) é pianista formado pelo Conservatório Brasileiro de Música e suas principais influências são Rick Wakeman, Tony Banks e Nelson Freire;
Sylvio Sá Corrêa (bateria e percussão) fez vários cursos de bateria e estudou com Dámaso Cerruti. Sua escola vem do jazz e suas principais influências Bill Brudford e Phil Collins;
Marcelo de Alexandre Venâncio (baixo, vilões e vocais) não participou da formação inicial, mas já ajudava a banda participando das produções e tem como algumas de suas influências, Chris Squire e Mike Rutherford.

O PROJETO

            A Banda SPIN XXI nasceu no ano de 1972, no Rio de Janeiro / Niterói.Jovens estudantes se encontravam em jam sessions tocando Beatles, Santana, Status Quo, Som Imaginário e Focus. Em pouco tempo a Banda SPIN começou a compor suas próprias músicas, com a informação vindo de todos os lados musicais foi nascendo o som, do SPIN.
            Muitas bandas e artistas da época eram ouvidos e serviram de influencia para o som da Banda, tais como, Gênesis, Yes, Genlte Giant, Focus,Camel, Milton Nascimento,Mutantes, Terço,Beatles e Villa Lobos. Durante os anos seguintes o SPIN se apresentou num circuito de Escolas, Teatros e Clubes do Rio de Janeiro com shows memoráveis e até mesmo em uma ocasião, sendo obrigados a fazer uma segunda apresentação na mesma noite por super lotação do Teatro (Cinema da UFF Niterói / RJ / 1977 ).
            Em 1979 o SPIN mudou de nome para Contraponto devido a mudanças na sua formação, fez alguns Shows memoráveis tais como: temporada de 3 dias no Teatro Municipal de Niterói, Colégios São Vicente de Paulo e Bennett no Rio de Janeiro, Grajaú Tênis Clube Também no Rio e Clube Petropolitano em Petrópolis R.J, entre outros. Em 2002 os amigos voltaram a se reunir e veio a idéia de registrar todas aquelas músicas e idéias que nasceram nos anos 70.
            Recuperar o espírito e a filosofia de vida, a sonoridade do Rock Progressivo Brasileiro setentista , agora com mais vigor e experiência chamando esse novo projeto de SPIN XXI , misturando no som da tudo o que foi ouvido durante todos esse anos. Agora o SPIN XXI com o seu novo CD Contraponto se prepara para novos horizontes, Shows, novos CDs e DVDs com o intuito de difundir e divulgar as idéias que ficaram presas durante todo esse tempo.

SPIN XXI e o CD Contraponto

Parece que o Rock Progressivo está ressurgindo, calcado principalmente em bandas dos anos 70 que voltam à ativa. Mais um remanescente daquela geração é o SPIN, grupo formado em Niterói, que alguns anos atrás, lançaram o CD Contraponto, no Brasil Europa e restante mundo com distribuição do Selo Francês, MUSEA.
Formada por KakaoA Figueiredo (vocais), Carlos Tatoo (Guitarras), Eraldo Márcio Correa (Teclados), Sylvio Sá Correa (Bateria) e Marcel de Alexandre (Baixo), a banda registrou quatro músicas que seguem a tradição do bom progressivo.
Compostas na década de 1970 , “Sensações Diversas”, “Buscando Algo de Novo”, Conflitantes Paranóias” e “ Ventos do Passado “, carregam em si tanto a impetuosidade da juventude - nas letras e concepção musical -  quanto maturidade - na execução e na interpretação. Com levadas interessantes, vocais marcantes e todos os outros elementos que assinalaram o movimento musical daquela década – ritmos quebrados, influências folk, convenções e improvisos, o álbum é indicado para todos que gostam de um instrumental elaborado e vocal bem posicionado, bem a ver com o título do disco.
O SPIN XXI é a prova de que o Progressivo Nacional produziu e produz vários grupos. E  que muitos deles, mesmo 30 anos depois, continuam  com a mesma força.





SERVIÇO
BANDA SPIN XXI - TEATRO MUNICIPAL DE NITERÓI
Data: 1° de setembro
Horário: 20 horas
Valor: R$ 20
Classificação etária: 10 anos
Duração: 80 minutos
Local: Teatro Municipal de Niterói
Endereço: Rua XV de Novembro, 35 – Centro
Informações: 2620-1624
Outras Informações: Kakao (2711 – 3104 / 9971 – 5304 / kko.studio@gmail.com) www.kkostudio.com/spin/ www.myspace.com/spinxxi / www.kkostudio.com